Trilha Salkantay – 5 dias e 4 noites (parte3 – Primeiro Dia)

Dia 01: Cusco – Mollepata

O primeiro dia da trilha Salkantay iniciou-se às 3h da manhã de 26/08/2015, quando acordamos para finalizar as mochilas (dicas sobre o que levar na coca_tmocilha aqui), trocar de roupa, comer algo e tomar um chá de coca, pois às 4h sairíamos do hostel para encontrar o restante do grupo.

Nosso grupo foi composto de muitas pessoas (19 turistas) de vários outros hostels, de forma que juntar todo mundo de madrugada, atrasou um pouco a saída. Mas no fim das contas, saímos de Cusco às 05:20h, num micro-bus, rumo a Mollepata.

A viagem de Cusco – Mollepata tem duração aproximada de 2h. No início, ainda escuro, seguimos pelas estradas asfalto. Foi possível dar uma cochilada e tentar recuperar um pouco do sono perdido… Após 1h de viagem aproximadamente, entramos numa estrada de terra estreita onde começamos a subir incessantemente. Do alto da estrada de terra via-se a rodovia pela qual chegamos, estávamos muito alto e a sensação do micro-bus despencar daquela altura era inevitável! Os motoristas Peruanos são bons e loucos também!!

Estávamos seguindo rumo a Chinchero, de onde a trilha realmente começaria. Lá separamos as bagagens de até 5kg para as mulas levarem (as bagagens são pesadas numa balança bem antiga) e no mesmo local é oferecido café da manhã (pago), acesse o cardápio do estabelecimento clicando aqui.

Após tomarmos café da manhã, separarmos os itens que seriam levados pelas mulas, passar protetor solar (apesar do clima fresco, o sol é muito forte), ainda seguimos de micro-bus por mais alguns quilômetros até realmente iniciar a trilha.

PÉ NA TRILHA

Logo no início da trilha subida e mais subida! Após uns 20 minutos caminhando em subida íngreme uma parada para fotos e apresentação do grupo. Nessa apresentação o guia quebra um pouco o “gelo” entre as culturas… No nosso grupo haviam muitas pessoas de países diferentes, em sua maioria europeus:

  • 4 Brasileiros (nós)lama_lovers1
  • 2 Australianos
  • 3 Austríacos
  • 1 Alemão
  • 5 Ingleses
  • 2 Americanos
  • 2 Franceses

Após a apresentação, algumas brincadeiras pra descontrair e a técnica de cheirar a muña (menta) para melhorar a respiração na altitude. Seguimos pela trilha em vegetação rasteira e alguma arvores, onde até então muito parecido com as trilhas no Brasil. A medida em que vamos progredindo, as paisagens vão mudando e a vegetação viva e rasteira de antes vai dando espaço ao clima mais seco, com mato amarelado (devido a baixa temperatura noturna) e as montanhas nevadas vão ficando mais aparentes.

Durante o dia, com o sol e caminhada, não há necessidade de blusa, o calor é intenso. Grande parte do trajeto é margeado por um córrego canalizado com água abundante e geladíssima, mas só é possível consumir se utilizar algum purificador, como pastilhas de cloro. Por isso não é necessário carregar muita água, se você dispuser deste recurso.

Entre as paradas para descanso e lanche, o guia dá informações sobre a história da trilha, dos incas, da invasão espanhola, do Perú, enfim muitas informações interessantes, além de começarmos a interagir com outros integrantes do grupo usando um “portunhol” ou arranhar um inglês, é muito bacana essa troca de culturas.

As paisagens são de tirar o fôlego! Lugares épicos, altitude magnifica e montanhas com os picos cobertos de neve. Ao horizonte, avista-se a montanha de Humantay (irmã menor da montanha Salkantay), praticamente na base dela estão preparadas as tendas das barracas e das refeições do almoço, jantar e café da manhã do 2° dia. Após 7h, 7:30h de caminhada, chega-se a Soraypampa onde está a base de camping do 1º dia.

Chegamos em Soraypampa aproximadamente às 14h. Inicialmente você é guiado até a tenda das barracas onde (em dupla) escolhe uma barraca para pernoitar. Após a escolha e acomodação dos pertences, é a hora do almoço.

ALMOÇO

Em todas as refeições de almoço ou jantar, é servida sopa como entrada. A sopa varia de dia para dia, dificilmente são repetidos os sabores. Após a entrada é hora da comida, onde são servidos arroz, saladas (tomate, cebola, pepino), legumes fritos ou cozidos como batatas (um principais legumes do país) e uma opção de mistura para todos, sendo neste 1º dia filé de frango. Também há o cardápio especial para vegetarianos, onde basicamente só a mistura é diferenciada (tipo uma omelete, entre outros).
Pode-se repetir o prato, (menos a mistura que é contada). Durante o almoço é servido suco (em pó), e após a refeição é servido chá de coca (bom pra digestão). Após o almoço vem a “ciesta” (hora de descanso), na verdade a atividade do dia acabou, mas opcionalmente há o passeio para o Lago Humantay.

LAGO HUMANTAY

Para chegar ao lago Humantay é necessário mais uma caminhada em subida leve, que vai se acentuando gradativamente. O trecho leva aproximadamente 1:30h. Apesar do pouco tempo “estimado”, a altitude e o estômago cheio dificultam muito o percurso. Basicamente é uma diferença de 400 mts de altitude entre o acampamento e o lago, o que pode parecer pouco, mas após ter andado cerca de 21 km, qualquer outro caminho é exaustivo. Pelo trajeto, muitos turistas caminhando, outros sentados tomando fôlego… conversamos com um grupo de alemães que seguia e estavam exaustos também, enfim descansávamos um pouco e seguíamos a diante.

Chegando no lago, a recompensa! O lugar era muito bonito! Um azul-esverdeado contrastava com o branco das neves e a terra das montanhas ao redor! Contemplamos a beleza inicial do lago por alguns instantes (enquanto retomávamos o fôlego do ar rarefeito da altitude). Observamos ao redor do lago, com muitos turistas e alguns patos selvagens nas águas congelantes a nossa frente. Margeando o lago pequenos morros, que levam até a montanha Humantay, resolvemos subir pelo lado esquerdo do lago para tirar algumas fotos. A paisagem era sensacional.

Após apreciar a paisagem e muitas fotos, era hora de voltar ao acampamento. O sol já estava baixando e frio aumentava exponencialmente. Estávamos sem lanterna e não queríamos correr o risco de voltar a noite. Foram mais 1:30h pra chegar no camping, fomos tentar nos limpar do dia de caminhada (no 1º dia não há banho quente – minha opção foi usar lenços umedecidos), trocar as roupas de caminhada por roupas quentes de dormir e aguardar o jantar.

CHÁ DA TARDE

Bem antes do jantar (no fim da tarde), é servido um “chá da tarde”, composto de biscoitos e pipoca. Todos na mesa comendo e aproveitando para conversar e “tentar conversar com estrangeiros”. Algumas horas depois (entre 20 e 21h) é servido o jantar.

JANTAR

Para o jantar, o mesmo esquema do almoço: sopa de entrada, a comida com a mistura, depois de todos satisfeitos um chá de coca para ajudar na digestão. Também tivemos a apresentação da equipe de apoio (cozinheiro e ajudantes), que nos acompanharam até o 4º dia de caminhada. Após o jantar, alguns permaneceram à mesa, conversando e conhecendo novas culturas, enquanto outros já se preparavam para dormir. Ficamos um pouco, mas o cansaço era muito maior que a vontade de permanecer à mesa.

BARRACA

Em Soraypampa – Humantay venta muito e à noite o vento e o frio são cortantes, por isso as barracas são montadas dentro da tenda. As barracas são montadas pelos ajudantes da equipe e são disponibilizados colchonetes e travesseiros, cabendo ao turista apenas os itens para seu conforto como: saco de dormir, luvas, meias quentes, etc.

Foi bem tranquila a noite, usei um agasalho de fleece e o saco de dormir, não passei frio e dormi muito bem!

No próximo post da série, vamos contar sobre o 2º dia de trilha! Até lá!!

DADOS TÉCNICOS:

  • Distância: 21 Km
  • Tempo de caminhada: 7h a 7:30h
  • Altitudes: de 3.350 m (Cusco) a 4.270 m (Lago Humantay)
  • Formação do grupo: 24 integrantes (19 turistas, 2 guias, 1 cozinheiro, 2 ajudantes)
  • Nível de dificuldade: médio-alto
  • Temperaturas: 20 a 30 ºC (período manhã) / 15 a 0 ºC (período tarde-noite)
  • Quantidade de água recomendada: 1 a 1,5 litros para o dia.

MAIS FOTOS – Acesse nosso álbum do 1º dia clicando aqui.

Vídeo deste dia – Clique aqui!

T&T – Mais trilha e montanhas pra você.

Comente com Facebook

Saiba mais sobre o autor: Andre Pires Moraes